conecte-se conosco


Tecnologia

Seabubble- O carro elétrico que voa sob a água.

Publicado

em

As novas tecnologias e os transportes estão cada vez mais ligados. E a questão tecnológica está dando um ponto de vista sem precedentes de transportes cada vez mais futuristas. Neste caso, falamos sobre o Seabubble, um carro elétrico cuja função é “voar” na água. Um carro diferente que tem um design semelhante ao dos catamarãs voadores.

catamarã voador japonês
Catamarã voador japonês

Um carro diferente

O transporte ecológico é apresentado como o verdadeiro futuro da indústria. É por isso que Alain Thébault se encontrou com Ander Bringdal, campeão mundial do windsurf, para criar um novo meio de transporte que pudesse navegar pelos rios e canais sem ter que usar combustíveis poluentes. Depois de vários anos testando alguns protótipos, parece que eles finalmente criaram a fórmula de sucesso. Um veículo complexo que se chama Seabubble e que, já navegou no rio Sena, em Paris.

Seabubble pessoas a bordo

É um carro que incorpora um novo controle elétrico de vôo desenvolvido meticulosamente pela equipe de hidrodinâmica, aerodinâmica e dinâmica de fluidos computacionais Caponnetto Hueber. Sem dúvida, um dos complementos que este eco táxi precisava. A chave para tudo isso está no sentimento de que os passageiros estão na estrada e não no meio da água. Da mesma forma que acontece com os aviões, as três abas hidrodinâmicas são perfeitamente conectadas a um pequeno motor controlado por um computador. Além disso, alguns sensores medem a altura acima da água em todos os momentos para que não haja problemas e o Seabubble não vire.

Eco táxi, Seabubble, Vista interna

De acordo com os dados recebidos dos primeiros testes, o veículo começa a se levantar quando atinge seis nós (11,11 km/h) de velocidade. A partir dai, o Seabubble pode acelerar até 25 quilômetros por hora e incorpora um intervalo entre 80 e 100 quilômetros. Sem esquecer que é construído com materiais completamente biodegradáveis ​​e que é alimentado exclusivamente por energia livre de emissões. A empresa Thébault espera iniciar a produção da Seabubble em cidades como Veneza e Dubai este ano (2018).

Seabubble parte traseira

Assista ao teste de uso:

Fonte: sitedecuriosidades

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

6 − dois =

Curiosidades

CHINA APOSTA NO CONTROLE CEREBRAL PARA VICIADOS EM DROGAS, ENTENDA

Publicado

em

A China tem surpreendido por seu desenvolvimento tecnológico e científico. A superpotência emergente tem alcançado parâmetros tão positivos, que tem se destacado mais que superpotências mundias, como os EUA. O que antes parecia ser impossível, tem se tornado real em vários setores diferentes.

O investimento em tecnologia é talvez um dos pontos mais fortes da China. Os avanços ocorrem de maneira veloz, deixando para trás grande parte do mundo. Coisas que antes pensamos que era exclusivo de filmes de ficção científica, estão se tornando realidade.

Os cientistas chineses começaram o primeiro teste clínico do mundo de estimulação cerebral profunda (DSB) para as pessoas viciadas em drogas. O procedimento é invasivo e tem a perfuração dos orifícios no crânio do paciente para que os eletrodos sejam colocados em seu cérebro. Esses eletrodos podem ser estimulados através de um dispositivo portátil.

Segundo a ABC News, essa mesma tecnologia já foi usada para distúrbios como a doença da Parkinson. E essa é a primeira vez que o DSB vai ser usado com a esperança de acabar com o vício.

Estudo

O primeiro ensaio focou no vício em metanfetamina e está sendo feito no hospital Ruijim, em Xangai. Segundo os Institutos Nacionais de Saúde dos EUA, existem oito ensaios clínicos DBS registrados para a dependência de drogas.

Seis desses oito estão na China. Mesmo que o país tenha um passado não muito bom com as cirurgias cerebrais, atualmente, a China se tornou o centro mundial de pesquisa DBS. O primeiro paciente é um viciado em metanfetamina conhecido apenas como Yan.

Ele usa drogas desde 2001, quando seu filho nasceu e ele perdeu cerca de 150 mil dólares em jogos de azar. Depois disso, ele se divorciou e com as visitas do filho sendo cada vez menores, ele se submeteu ao teste do DBS. “Minha força de vontade é fraca”, disse Yan.

Ele foi então para a operação na qual o médico Li Dianyou perfuraria seu crânio e colocaria dois eletrodos pequenos em uma área perto do seu cérebro. Tal área é a que está vinculada com o vício. Depois de algumas horas, Yan também passou por uma cirurgia onde foi colocada uma bateria no peito.

Procedimento

O procedimento parece tirado de um filme de ficção, mas os riscos são reais. O paciente pode morrer com uma hemorragia cerebral, convulsões, infecção ou deixar a mesa de cirurgia com uma personalidade nova.

Mas no caso de Yan, ele disse se sentir entusiasmado. Além disso, o médico deu ao cérebro de Yan um teste remoto e emoções novas na cabeça. O médico era capaz de fazer o paciente se sentir alegre ou agitado apenas com um toque.

“Esta máquina é muito mágica. Ele se ajusta para te fazer feliz, para deixar você nervoso”, disse Yan. E segundo o homem, ele está sem usar drogas há meses.

Outros lugares do mundo não foram tão abertos ao procedimento como a China. Na Europa, a dificuldade foi encontrar pacientes. Nos EUA, preocupações éticas e científicas dificultaram essa aceitação. Mas a aversão dos americanos ao procedimento diminuiu nos últimos anos.

Enquanto isso, na China, o DBS, como a nova abordagem que pode acabar com a dependência de droga, está aumentando com força total. Também porque as leis antidrogas no país forçavam várias pessoas a fazerem tratamentos obrigatórios que incluíam a “reabilitação”com trabalho físico. E ela podia durar anos.

via: fatosdesconhecidos

Continue lendo

Mais Lidas da Semana