conecte-se conosco


Tecnologia

Os ‘bafômetros’ que analisam seu hálito e sugerem o que você deve comer

Publicado

em

Dois aparelhos que analisam os gases da respiração das pessoas prometem ajudar a mostrar como elas podem melhorar suas dietas.

Lumen e FoodMarble, que funcionam como “bafômetros”, são dispositivos de bolso que estão sendo exibidos no show de tecnologia da CES em Las Vegas, nos Estados Unidos.

Eles emparelham com aplicativos de smartphone que informam a seus usuários como eles digerem alimentos ou queimam calorias.

Mas, segundo especialistas, essa tecnologia ainda não foi devidamente validada pelos cientistas.

A Lumen arrecadou quase US$ 2 milhões (equivalente a quase RS 7,4 milhões) no site de crowdfunding Indiegogo. A empresa projetou um produto em forma de inalador que mede os níveis de dióxido de carbono na respiração.

A empresa diz que isso fornece uma maneira de monitorar o metabolismo de uma pessoa – o conjunto de processos químicos que, entre outras coisas, converte alimentos em energia.

“Você não precisa adivinhar quanto açúcar havia naquele frango Kung Pao ou quantas calorias você queimou naquela corrida”, explicou o fundador Dror Cedar.

Produto da Lumen em utilização

Em vez disso, explica à BBC, o aplicativo mostra se o usuário está queimando carboidratos ou gordura. Em seguida, sugere receitas que ajudam na queima de gordura e, com o tempo, o Lumen aprende, segundo o fabricante, qual dieta é mais apropriada para cada indivíduo.

Validação científica

O aparelho foi testado por centenas de usuários nos EUA, segundo Cedar.

No entanto, estudos que medem a eficácia do produto ainda não foram revisados por pesquisadores da área.

O Lumen estará à venda por US$ 299 (R$ 1.104) nos próximos meses. O aplicativo pode cobrar uma taxa de assinatura no futuro, mas será gratuito durante seu primeiro ano.

Já o FoodMarble mede os níveis de hidrogênio numa tentativa de fazer deduções sobre a saúde digestiva de quem o usa. O aparelho foi lançado em dezembro, e a empresa arrecadou US$ 1 milhão apenas com pré-encomendas, que já foram enviadas.

A fundadora Lisa Ruttledge disse à BBC que os níveis de hidrogênio na respiração podem ser um sinal de que alguém está tendo problemas em digerir uma refeição recente.

O aplicativo do FoodMarble

“Isso acontece porque há fermentação em seu intestino e um pouco do hidrogênio criado nesse processo é exalado”, disse.

A ideia é ajudar pessoas que apresentem inchaço, dor abdominal e outros sintomas gastrointestinais a melhorarem a alimentação. Ao mostrar alimentos que resultam na produção de hidrogênio, a FoodMarble poderia auxiliar seus usuários a fazer dietas mais saudáveis.

No entanto, embora esses testes sejam usados às vezes por médicos e nutricionistas, há quem questione sua precisão.

“Há apenas pesquisa científica limitada mostrando que esses testes, quando realizados em um ambiente hospitalar, podem dizer a que alimentos você é sensível”, disse Kevin Whelan, professor de dietética no King’s College de Londres.

Isso acontece porque vários fatores podem influenciar na respiração – incluindo o tempo necessário para uma refeição ser digerida, que nem sempre é o mesmo.

Lisa Ruttledge disse que um dos objetivos de sua empresa é fazer com que o FoodMarble se torne o primeiro dispositivo desse tipo a ser avaliado em um estudo científico.

via: BBCBRASIL

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um + dezessete =

Tecnologia

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL AGORA PODE SABER SE VOCÊ VAI MORRER PREMATURAMENTE, ENTENDA

Publicado

em

Cientistas treinaram um sistema de inteligência artificial (IA) para avaliar quase uma década de dados relacionados à saúde de meio milhão de pessoas no Reino Unido. Após a inserção dos dados, a IA foi incumbida de calcular se os indivíduos correm o risco de ter mortes prematuras devido à doenças crônicas.

O experimento com a IA foi relatado em um novo estudo recentemente e publicado na revista científica PLOS ONE. As previsões de mortes prematuras feitas pela inteligência artificial se mostraram “significativamente mais precisas” do que previsões realizadas por um modelo que não utilizou o aprendizado feito pela máquina. O estudo foi liderado Stephen Weng, professor assistente de epidemiologia e com dados da Universidade de Nottingham no Reino Unido.

Os testes

Dois tipos de inteligência artificiais foram testados pelos cientistas para avaliar a probabilidade de morte prematura dos indivíduos. Uma IA de “aprendizagem profunda”, a qual as redes de processamento de informações em camadas ajudam o computador a aprender com exemplos. A outra é uma IA mais simples. Esta é chamada de “floresta aleatória”, tem como mecanismo uma combinação de vários modelos para considerar possíveis resultados.

Depois dos testes, os pesquisadores compararam as conclusões dos dois modelos de IA com os resultados de um algoritmo padrão, conhecido como Modelo de Cox. Com os três modelos, foram avaliados os dados de um banco de dados de livre acesso de dados genéticos, físicos e de saúde chamado UK Biobank.

Essa banco de dados reúne dados de mais de 500 mil pessoas, coletados entre 2006 e 2016. Nesse período, cerca de 14.500 dos participantes morreram. As principais causas dessas mortes foram câncer, doenças cardíacas e doenças respiratórias.

As variáveis

Os três modelos utilizados pelos cientistas determinaram que fatores como idade, sexo, histórico de tabagismo e diagnósticos precoces de câncer foram as principais variáveis para avaliar a probabilidade de morte prematura de uma pessoa. Entretanto, em outros fatores-chave, os modelos divergiram, segundo os pesquisadores.

O modelo de Cox se baseou em fatores como etnicidade e atividade física, já os modelos de IA não. O modelo floresta aleatória deu maior ênfase na porcentagem de gordura corporal, mais precisamente na circunferência da cintura, quantidade de frutas e legumes que as pessoas ingeriam e o tom de suas peles, segundo o estudo.

Já o modelo de aprendizagem profunda, os principais fatores incluíam exposição à riscos relacionados ao trabalho e à poluição do ar, ingestão de álcool e o uso de alguns tipos de medicações.

Quando os dados foram processados, o algoritmo de aprendizagem profunda foi capaz de fornecer previsões mais precisas. Essa IA conseguiu identificar corretamente 76% dos indivíduos que morreram durante o estudo. A IA floresta aleatória previu corretamente 64% das mortes  prematuras. Já o modelo de Cox apenas 44%.

Esta não é a primeira vez que IA são utilizadas para auxiliar os cientistas na previsão e disgnósticos de saúde. Em 2017, uma outra equipe de pesquisadores utilizou uma IA para aprender a detectar sinais prematuros da doença de Alzheimer.

A máquina avaliou varreduras cerebrais para conseguir identificar se uma pessoa teria probabilidade de desenvolver Alzheimer. Os resultados foram surpreendentes. A IA conseguiu prever com cerca de 84% de precisão, o estudo publicado na revista Neurobiology of Aging.

 

via: fatosdesconhecidos

Continue lendo

Mais Lidas da Semana