conecte-se conosco


Curiosidades

MULHER RESOLVE FALAR COMO É VIVER COM SÍNDROME DO PÂNICO

Publicado

em

A síndrome do pânico está entre os transtornos de ansiedade mais comuns nas pessoas. Infelizmente, o número de pessoas que sofrem com isso vem aumentando ano após ano, e você já deve ter ouvido falar sobre. Para quem não sabe, essa síndrome faz com que soframos crises inesperadas de desespero e medo intenso a todo o momento. Quem sofre, fica esperando e temendo que algo de ruim aconteça a qualquer momento. Não é preciso ter um motivo para isso ou sequer um sinal de perigo: a cabeça convence o indivíduo de que alguma coisa extremamente ruim acontecerá.

Quem sofre esse transtorno se preocupa o tempo inteiro com medo de ter uma crise, pois esta chega sem avisar. Pensando um pouco sobre esse mal, resolvemos trazer essa matéria. A redação da Fatos Desconhecidos buscou uma história real de uma pessoa que sofre com Síndrome do Pânico. Ela descreveu como é viver com isso e como atrapalha sua vida. Confira conosco seu relato e compartilhe desde já com seus amigos. Sem mais delongas, confira conosco e surpreenda-se.

Convivendo com Síndrome do Pânico

Aline Rollo, uma jornalista, sofre com essa crise e relatou como é. Segundo a mesma, a primeira crise aconteceu em 2001. Ela cursava o último ano da faculdade e fazia estágio no principal jornal de sua cidade. Além disso, escrevia para um site voltado para adolescentes. Estava em uma ótima fase de sua vida e morava sozinha, conseguindo se sustentar. Mantinha um namoro há 3 anos e tinha muitos amigos. Durante uma viagem pelo litoral com seu namorado, sentiu um aperto no peito. Suas mãos tremiam tanto que ela não podia segurar nada.

O coração começou a acelerar e os enjoos começaram a aparecer. Ela ficou desorientada e com muito medo. Chegou a procurar um pronto socorro, mas nada foi diagnosticado. Algumas semanas depois, uma nova crise. Ela passou três dias sem comer nada, porque os enjoos não possibilitavam isso. Ela sofria com taquicardia e mãos trêmulas. Novamente, buscou um pronto socorro, mas nada foi diagnosticado de novo. Ela resolveu buscar a companhia da mãe, no interior de São Paulo, e buscou ajuda de um cardiologista. Após exames, ele disse que ela sofria com crise de pânico. Aline disse ter buscado por dias um motivo para estar sofrendo da doença, mas não encontrou.

Tratamento da Síndrome do Pânico

A moça diz ter tido uma adolescência boa, vivendo em uma cidade de 50 mil habitantes. Ainda assim, não entendia como tinha desenvolvido o transtorno. Isso era algo pouco comentado no seu tempo. Ela iniciou o tratamento com um psiquiatra que receitou um anti-depressivo e um ansiolítico, o Rivotril. Além disso, o médico recomendou exercícios físicos, onde ela liberaria toda a ansiedade que lhe causava o pânico. Ela começou a fazer boxe e academia próximo à sua casa. Teve uma melhora considerável em suas crises, que diminuíram pouco a pouco. Sendo assim, parou com o tratamento e os remédios porque estava se sentindo melhor.

Ela teve uma vida normal por alguns meses e conseguiu um emprego após formada. Atuava agora em uma rádio da cidade. No entanto, suas crises começaram novamente sempre que ela precisava sair de casa para algum compromisso social. Ela desmarcava as saídas com amigos na hora de sair e ninguém a compreendia. Era como se o coração saísse pela boca. Ela então recomeçou o tratamento, só que agora acompanhado de terapia. Decidiu largar o jornalismo e abriu uma locadora de DVDs com um amigo.

Trabalho

Ela relatou que trabalhava até 14 horas por dia e que suas crises eram constantes, apesar de estar se medicando. Eram tão fortes que se tornava impossível levantar da cama alguns dias. Chorava com frequência e queria ficar no escuro. Sofria com enjoo e sempre tomava dramin. Procurou todo o tipo de ajuda possível. Até mesmo a terapêutica espiritual foi procurada. Se sentia sozinha e exausta o tempo inteiro. Ela então foi diagnosticada por um psiquiatra com Depressão grave causada pela Síndrome do Pânico.

Se submeteu a um tratamento ainda mais forte até melhorar e poder ficar só com o Rivotril em caso de emergência. Após isso, descobriu a gravidez, mesmo nunca ter pensado em ter filhos. Diz ter sido o maior choque que já teve na vida inteira. Ela não aceitava a felicidade dos outros com isso. Pensou que sua vida havia acabado a partir dali. Isso continuou até a barriga começar a aparecer, foi quando ela aceitou e passou a gostar. Comprava roupinhas de bebê, escolhia e mudava o nome, decorou o quarto e se preparou com felicidade para receber sua filha. Ela cuidava muito bem de sua menina e optou por fazer isso sozinha. Mesmo passando noites em claro, gostava de tudo aquilo.

Depressão pós-parto

Dois meses após o nascimento da garota, Aline foi diagnosticada com Depressão pós-parto. Chorava compulsivamente, não comia nada que não fosse macarrão e pão. Chegou a pesar apenas 43 quilos e ficava muito tempo sozinha com a garota. Não podia se medicar, pois estava amamentando. As crises de pânico voltaram junto com a depressão. Tinha a impressão de que estava no mundo sozinha com sua filha. Brigava o tempo inteiro com o marido. Colocou sua filha na creche com sete meses e voltou para o jornalismo. Começou a trabalhar em um pequeno jornal.

Terminou o seu casamento e se mudou para um apartamento com sua filha e os dois cachorros. Deixou tudo para trás e iniciou uma nova vida. Voltou à vida social e seus amigos a ajudaram. Passou a se sentir viva novamente. Mudou de médico e de terapeuta. Descobriu então que a síndrome do pânico havia ido embora, dando lugar à ansiedade crônica. Começou um novo tratamento. Hoje é chefe em seu emprego e ainda convive com a ansiedade diariamente, mas se medica e trata como devido. Ela diz que não se curou por completo, mas que aprendeu a administrar sua doença

 

via: fatosdesconhecidos

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × 5 =

Curiosidades

IMAGENS MOSTRAM UMA INCRÍVEL ”NUVEM DE PÓLEN” QUE ATINGIU OS EUA

Publicado

em

O mundo teme diversos apocalipses. Uma onda de desastres naturais destruidores que podem levar a maior parte da população mundial à morte, o famoso apocalipse zumbi ou invasão alienígena. No entanto, ninguém jamais temeu um “polenpocalipse”. Se você planeja ir à Carolina do Norte, nos Estados Unidos, é recomendado deixar a janela bem fechada. Além disso, coloque bons óculos de proteção e se proteja com alguns lençóis, pois o local foi invadido por uma nuvem de pólen. Um tsunami tem descido pelo céu e assustou diversas pessoas que estavam no local.

Na segunda-feira (15), Jeremy Gilchrist, um fotógrafo, capturou algumas imagens incríveis do que ele chamou de “Polenpocalypse”. As fotografias foram feitas em Durham, na cidade de Carolina do Norte. A cidade declarou através de um alerta que os níveis de pólen no local estavam muito acima do normal. Estavam altos e preocupantes. Essa nuvem é capaz de fazer mal a qualquer pessoa que sofre com alergia disso, logo é recomendado se proteger ao máximo e não entrar em contato com essa nuvem que chega ao solo.

Para registrar tudo com fotografias, Gilchrist utilizou um drone, e assim obteve melhor resultado. Isso lhe permitiu pegar a melhor visão do cenário assustador diante dele. Em uma entrevista à CNN, Jeremy disse que apenas editou levemente suas fotos antes de compartilhá-las nas redes sociais. Segundo ele, bastou ajustar o contraste para combinar com o que seria visto a olho nu ainda do solo. As condições secas e arejadas ajudaram o pólen a se acumular no ambiente antes de ser arrastado por uma chuva forte que aconteceu.

Segundo o Mapa Nacional de Alergias da Pollen.com, diversos estados do sul e do sudeste americano estão sendo afetados atualmente por esse alto nível de pólen. Esses vão do Arizona ao Arkansas e a Nova York. Ainda segundo o site, as piores cidades para isso, que mais sofrem atualmente com a condição de febre do feno, são Huntington, Louisville, Memphis, Lexington e Huntsville. Um dos principais motivos para esse mal é a mudança climática extrema. Nos últimos anos, a maré de pólen que acompanha o início da primavera tem aumentado bastante.

Um mundo em aquecimento graças à mudança climática pelo homem traz para frente e testa a temporada de pólen. Isso ajuda as plantas a liberarem ainda mais pólen do que o normal. Infelizmente, isso piora cada vez mais. Nos últimos anos, o potencial tem aumentado e acreditam que vai aumentar ainda mais nos próximos. Como dissemos, é um perigo para quem sofre de alergia à pólen, pois isso causa um surto indesejável aos olhos, deixando-os totalmente irritados. Além disso, o nariz fica irritado, escorrendo e coçando.

“Tornou-se o modelo dos impactos da mudança climática na saúde”, disse Jeffrey Domain, diretor do Centro de Alergia, Asma e Imunologia do Alasca, à Vox. A névoa amarela, que desce sobre os Estados Unidos, é apenas um lembrete de que precisamos nos ater aos objetivos do Acordo de Paris, mantendo o aquecimento global ao mínimo. Para as pessoas que sofrem de febre do feno, o futuro parece ser um péssimo lugar.

Vídeo da nuvem de pólen

 

E aí, o que você achou dessa matéria? Comenta pra gente aí embaixo e compartilhe com seus amigos. Lembrando sempre que o seu feedback é extremamente importante para o nosso crescimento.

 

 

via: fatosdesconhecidos

Continue lendo

Mais Lidas da Semana