conecte-se conosco


Tecnologia

Empresas lançam manifesto para promover inclusão digital no Brasil

Publicado

em


Para os responsáveis pelo projeto, essa inclusão digital deve acontecer baseado em quatro pilares: governo, infraestrutura, educação e empreendedorismo
iStock

Para os responsáveis pelo projeto, essa inclusão digital deve acontecer baseado em quatro pilares: governo, infraestrutura, educação e empreendedorismo

O Movimento Brasil Digital lançou nesta quinta-feira (2), em São Paulo, o Manifesto Nação Digital. Liderado pela IT Mídia e a Fundação Dom Cabral, a iniciativa tem o objetivo de apresentar propostas para o crescimento tecnológico do Brasil aos candidatos à Presidência.

Leia também: Manipulação nas redes sociais para fins políticos atinge 48 países

A ideia do manifesto em favor da inclusão digital
é preparar a sociedade para as profissões do futuro de forma humanizada, com a geração de empregos qualificados, garantindo o desenvolvimento econômico do Brasil.

Para os responsáveis pelo projeto, esse crescimento tecnológico deve acontecer baseado em quatro pilares: o governo, por meio de políticas públicas voltadas para o tema; a infraestrutura, passando pela atualização da política de telecomunicações do país; a educação, com a preparação da população para o futuro digital; e o empreendedorismo
, com a garantia de um bom ambiente de negócios e o incentivo à inovação.

Oracle, Gol, Embratel, IBM, Microsoft e Petrobras são algumas das empresas que já aderiram ao manifesto. Ao todo, 26 organizações demonstraram apoio à iniciativa até o momento.

Leia também: Facebook exclui páginas que espalhavam fake news; MBL reclama de censura

Segundo Silvio Genesini, coordenador do grupo de trabalho do projeto, a ideia não é dizer aos presidenciáveis o que é preciso fazer, mas sim influenciá-los, ajudando-os a definir uma agenda para o setor. “Queremos identificar as melhores práticas e promover a troca de experiências entre empresas, terceiro setor, academia e governo”, disse.

O caminho para a inclusão digital


A inclusão digital impõe desafios em áreas como educação, trabalho, sustentabilidade e políticas sociais.
Shutterstock

A inclusão digital impõe desafios em áreas como educação, trabalho, sustentabilidade e políticas sociais. “O Brasil precisa estar pronto para vivenciar e se destacar nesse âmbito”, diz presidente da IT Mídia

De acordo com Adelson Sousa, presidente da IT Mídia, a digitalização está fortemente inserida em políticas públicas das principais economias do mundo, garantindo produtividade às empresas, competitividade internacional aos países e serviços de qualidade aos cidadãos.

“Ao mesmo tempo, [a inclusão digital] impõe desafios em áreas como educação, trabalho, sustentabilidade e políticas sociais. O Brasil precisa estar pronto para vivenciar e se destacar nesse âmbito”, afirmou.

Leia também: Tempo gasto no Facebook e no Instagram já pode ser monitorado pelo usuário

Segundo Sousa, o manifesto em favor da inclusão social
começará a ser levado aos presidenciáveis assim que as convenções de homologação das candidaturas terminarem. “Passaremos os próximos 30 dias conversando com esses candidatos”, completou.

*Com informações da Agência Brasil

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

19 − seis =

Tecnologia

UM NOVO MATERIAL PODERIA FAZER DOWNLOAD DO SEU CÉREBRO, ENTENDA

Publicado

em

Um novo material quântico foi desenvolvido pelos cientistas da Universidade de Purdue e do Laboratório Nacional Argonne, ambos nos Estados Unidos. Este material poderá, no futuro, transferir informações entre o cérebro humano e um computador, sem a necessidade de outros aparelhos ou conectores.

O projeto desenvolvido por eles ainda se encontra nos estágio iniciais e nos remete a uma ideia de um possível upload de informações a partir de nosso cérebro. Essas informações poderiam ser armazenadas em uma nuvem. Outra possibilidade é a de que o próprio cérebro poderia nos dar informações sobre doenças, entre outras métricas de saúde do corpo. Um artigo sobre o estudo foi publicado na revista científica Nature Communications.

O novo material

Os pesquisadores têm como objetivo criar um material que “pense” como o cérebro. Além de também ser mais sensível a sinais precoces de doenças, como o mal de Parkinson. Apesar de parecer coisa de filme, os cientistas conseguiram desenvolver um material que pode ao menos “escutar”.

É através das correntes iônicas, que ajudam o cérebro a realizarem uma reação em particular, que nosso organismo realiza algo tão básico como respirar. Fazer a detecção de íons significa também detectar a concentração de uma molécula, o que nos fornece um indicador de saúde do cérebro.

“A meta é preencher a lacuna entre como a eletrônica pensa, que é via elétrons, e como o cérebro pensa, que é via íons. Este novo material nos ajudou a encontrar uma ponte em potencial”, explicou Hai-Tian Zhang, pós-doutorando e principal autor do estudo.

O novo material foi testado em duas moléculas: glicose, açúcar essencial para produção de energia, e na dopamina, responsável pela regulagem do movimento, respostas emocionais e memória. A quantidade de dopamina no cérebro costuma ser baixa. Pacientes com o mal de Parkinson costumam ter percentuais ainda menores. A detecção desse mediador químico é algo notoriamente difícil. Assim, a detecção precoce dos níveis de dopamina significaria um tratamento precoce da doença.

Download

“Este material quântico é cerca de nove vezes mais sensível à dopamina do que os métodos que usamos atualmente em modelos animais”, disse Alexander Chubykin, pesquisador envolvido no estudo. Os pesquisadores ainda afirmaram que o novo material poderia “sentir” átomos de diversas outras moléculas. Agora, eles desejam criar uma maneira para que esse material “responda” ao cérebro.

No futuro, os cientistas acreditam que isso nos daria a capacidade de fazer uma espécie de “download” das informações no cérebro.

“Imagine colocar um dispositivo eletrônico no cérebro para que, quando as funções cerebrais naturais começarem a se deteriorar, uma pessoa ainda possa recuperar memórias desse dispositivo”, disse Shriram Ramanathan, professor de engenharia de materiais em Purdue. Ramanathan possui um laboratório especializado no desenvolvimento de tecnologias inspiradas no principal órgão do corpo humano, o cérebro.

“Podemos dizer com confiança que este material é um caminho potencial para construir um dispositivo de computação que armazene e transfira memórias”, concluiu o professor.

 

via: fatosdesconhecidos

Continue lendo

Mais Lidas da Semana