conecte-se conosco


Tecnologia

Como combater os ‘crapwares’, programas pré-instalados que roubam dados e espaço no seu celular

Publicado

em

Quando você compra um telefone, computador ou tablet, o mais comum é que alguns apps e programas já venham instalados. São os softwares de fábrica, chamados de crapware ou junkware – algo como “softwares lixo”, já que podem ter pouca utilidade e ocupam um espaço que poderia ser usado de outra forma.

Os programas são variados, desde navegadores até redes sociais, áudio-livros ou apps para editar música. Alguns têm prazo de validade – são apenas versões de teste que duram dias ou semanas. Mas outros ficam no seu dispositivo para sempre (e sem a sua permissão).

O problema é que esses softwares gastam dados e memória do celular – e muitas vezes o usuário fica sem espaço para instalar outros apps.

Por isso, muitos usuários da Samsung ficaram indignados quando foi anunciado que o Facebook viria instalado em vários modelos da marca.

‘Estão mentindo para você’

“Se você pergunta aos fabricantes por que instalam esse tipo de coisa, dizem que fazem isso porque estão oferecendo algo adicional. Mas estão mentindo para você”, escreveu o jornalista de tecnologia Adrian Kingsley-Hughes. Na verdade, “fazem isso porque as empresas pagam”. “Os fabricantes de hardware ficam satisfeitos de instalar crapwares em seus novos dispositivos, por alguns poucos dólares.”

Kingsley-Hughes diz que a única exceção é a Apple – o motivo é que a empresa fabrica seu próprio software operacional, o iOS. Samsung e várias outras marcas de celular costumam usar o sistema operacional Android, desenvolvido pela Google.Ilustração de uma mão segurando um celular - na tela, há um símbolo de uma mão com o polegar para baixo

Normalmente, é bem difícil se livrar de apps instalados na fábrica. Você pode tentar as três etapas abaixo. Mas, algo importante: em qualquer desses casos, se você tem alguma dúvida sobre desinstalar ou não um app, o melhor é não fazê-lo. É possível que o remédio seja pior que a doença e deixe seu celular instável.

1- Desinstale o app

A maneira mais fácil de ver se um app pode ser desinstalado é apertando o ícone dele durante alguns segundos, até aparecer a opção “desinstalar”. Se ela não aparecer, a saída é tentar achá-la no menu “ajustes”. Mas, de fato, grande parte dos apps foram instalados de forma permanente.

2- Desative ou desabilite

Se você não conseguir desinstalar o app seguindo o passo acima, você pode tentar desabilitá-lo. Para isso, vá em “ajustes” e escolha a opção “desativar” ou “desabilitar”. Essa foi a opção de muitos usuários da Samsung que não queriam ter o Facebook no celular.

Mas saiba que essa não é a opção definitiva para se livrar para sempre do crapware. É sim uma forma de evitar que esses programas sejam executados sem a sua permissão – além de recuperar parte do espaço que utilizam no seu aparelho.

Mão de um homem segurando um celular

3 – Desinstale com root

Essa opção é um pouco mais complexa, mas efetiva. Para fazer isso, você deve procurar como “desrootear” seu dispositivo – em outras palavras, modificar o sistema operacional para conseguir ter controle total sobre ele. A seguir, é preciso usar um app para desinstalar esses programas à força.

Pode ser que não valha a pena executar todo esse processo. Mas, se você quer eliminar os softwares de fábrica definitivamente, essa é a solução.

via: BBCBRASIL

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

11 − nove =

Tecnologia

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL AGORA PODE SABER SE VOCÊ VAI MORRER PREMATURAMENTE, ENTENDA

Publicado

em

Cientistas treinaram um sistema de inteligência artificial (IA) para avaliar quase uma década de dados relacionados à saúde de meio milhão de pessoas no Reino Unido. Após a inserção dos dados, a IA foi incumbida de calcular se os indivíduos correm o risco de ter mortes prematuras devido à doenças crônicas.

O experimento com a IA foi relatado em um novo estudo recentemente e publicado na revista científica PLOS ONE. As previsões de mortes prematuras feitas pela inteligência artificial se mostraram “significativamente mais precisas” do que previsões realizadas por um modelo que não utilizou o aprendizado feito pela máquina. O estudo foi liderado Stephen Weng, professor assistente de epidemiologia e com dados da Universidade de Nottingham no Reino Unido.

Os testes

Dois tipos de inteligência artificiais foram testados pelos cientistas para avaliar a probabilidade de morte prematura dos indivíduos. Uma IA de “aprendizagem profunda”, a qual as redes de processamento de informações em camadas ajudam o computador a aprender com exemplos. A outra é uma IA mais simples. Esta é chamada de “floresta aleatória”, tem como mecanismo uma combinação de vários modelos para considerar possíveis resultados.

Depois dos testes, os pesquisadores compararam as conclusões dos dois modelos de IA com os resultados de um algoritmo padrão, conhecido como Modelo de Cox. Com os três modelos, foram avaliados os dados de um banco de dados de livre acesso de dados genéticos, físicos e de saúde chamado UK Biobank.

Essa banco de dados reúne dados de mais de 500 mil pessoas, coletados entre 2006 e 2016. Nesse período, cerca de 14.500 dos participantes morreram. As principais causas dessas mortes foram câncer, doenças cardíacas e doenças respiratórias.

As variáveis

Os três modelos utilizados pelos cientistas determinaram que fatores como idade, sexo, histórico de tabagismo e diagnósticos precoces de câncer foram as principais variáveis para avaliar a probabilidade de morte prematura de uma pessoa. Entretanto, em outros fatores-chave, os modelos divergiram, segundo os pesquisadores.

O modelo de Cox se baseou em fatores como etnicidade e atividade física, já os modelos de IA não. O modelo floresta aleatória deu maior ênfase na porcentagem de gordura corporal, mais precisamente na circunferência da cintura, quantidade de frutas e legumes que as pessoas ingeriam e o tom de suas peles, segundo o estudo.

Já o modelo de aprendizagem profunda, os principais fatores incluíam exposição à riscos relacionados ao trabalho e à poluição do ar, ingestão de álcool e o uso de alguns tipos de medicações.

Quando os dados foram processados, o algoritmo de aprendizagem profunda foi capaz de fornecer previsões mais precisas. Essa IA conseguiu identificar corretamente 76% dos indivíduos que morreram durante o estudo. A IA floresta aleatória previu corretamente 64% das mortes  prematuras. Já o modelo de Cox apenas 44%.

Esta não é a primeira vez que IA são utilizadas para auxiliar os cientistas na previsão e disgnósticos de saúde. Em 2017, uma outra equipe de pesquisadores utilizou uma IA para aprender a detectar sinais prematuros da doença de Alzheimer.

A máquina avaliou varreduras cerebrais para conseguir identificar se uma pessoa teria probabilidade de desenvolver Alzheimer. Os resultados foram surpreendentes. A IA conseguiu prever com cerca de 84% de precisão, o estudo publicado na revista Neurobiology of Aging.

 

via: fatosdesconhecidos

Continue lendo

Mais Lidas da Semana