conecte-se conosco


Tecnologia

Com anúncios no WhatsApp Status, app vai se rentabilizar pela “primeira vez”

Publicado

em


Aplicativos de mensagens mais popular do mundo agora vai passar a incluir anúncios no WhatsApp
shutterstock

Aplicativos de mensagens mais popular do mundo agora vai passar a incluir anúncios no WhatsApp

Que o WhatsApp é a maior plataforma de troca de mensagens no Brasil e em vários outros países do mundo, isso todo mundo já sabe. O que talvez pouca gente saiba é que mesmo contando com cerca de 1,5 bilhão de usuários no mundo todo, a empresa ainda não tinha encontrado uma forma de fazer dinheiro com isso. Essa busca, porém, parece ter acabado de acabar: a partir de hoje haverá anúncios no WhatsApp.

Leia também: WhatsApp vai mostrar origem das mensagens recebidas para combater fake news

O problema para a rentabilização do WhatsApp era justamente o seu serviço prestado. Apesar de ser muito utilizado, a troca de mensagens entre pessoas é algo privado, particular e delicado. Ganhar dinheiro, ainda que seja indiretamente, coletando dados e vendendo anúncios no WhatsApp
, portanto, parecia algo impensável para a companhia que, pelo menos oficialmente, nunca admitiu fazer isso.

Pelo contrário. Todo usuário do WhatsApp no Brasil deve se lembrar de pelo menos uma ou duas opotunidades em que a plataforma saiu do ar por decisão judicial após se negar a revelar o conteúdo de conversas particulares entre seus usuários, mesmo que a justiça entedesse que as informações ali contidas pudessem contribuir para uma investigação.

A polêmica é tamanha quando se trata de privacidade dos usuários que os acontecimentos recentes fizeram, inclusive, com que a empresa passasse a reforçar a criptografia e, portanto, a segurança da troca de mensagens
dentro do aplicativo. Algo que sempre é relembrado aos seus milhões (ou bilhões) de usuários sempre que eles começam uma conversa nova.

Tudo isso fez com que o WhatsApp sempre fosse considerado um produto de grande potencial por conta da sua grande cartela de usuários e de dados, mas incapaz de conseguir se rentabilizar e viabilizar financeiramente a longo prazo.

É bem verdade que isso não impediu que o Facebook, uma outra gigante do setor de tecnologia, comprasse a companhia de seus fundadores por US$ 22 bilhões, mas de qualquer forma, os problemas de rentabilização do WhatsApp podem estar perto de acabar.

Leia também: Depois de golpe no WhatsApp fracassar, ladrão pergunta à vítima “onde eu errei?”

Os usuários, no entanto, não precisam se preocupar (tanto). Isso porque a empresa encontrou na venda de anúncios no WhatsApp Status, uma forma de lucrar sem ser (tão) invasivo aos usuários
. A ideia é exatamente a mesma do que já acontece no Instagram Stories quando as fotos ou vídeos curtos e efêmeros dos contatos de um usuário são intercalados com anúncios de marcas que pagaram para estar ali.

A revelação feita inicialmente pelo  The Wall Street Journal 
ainda dá conta de que essa relativamente nova funcionalidade do WhatsApp ainda não caiu de vez nas graças dos usuários (sobretudo no Brasil), mas já conta com 450 milhões de usuários diários. Apenas uma fração do total de usuários do WhatsApp “normal”, mas ainda 50 milhões além do que o Instagram tem neste mesmo tipo de recurso.

Além disso, o WhatsApp também utilizará a plataforma Business (a única modalidade do WhatsApp que já cobra um valor dos seus usuários) para permitir que essas empresas entrem em contato com possíveis clientes.

O valor cobrado pelo aplicativo ficará entre US$ 0,005 (meio centavo de dólar) e US$ 0,09 (nove centavos de dólar) por cada mensagem enviada para cada pessoa. Valores próximos dos que já são cobrados nos anúncios do Facebook, empresa dona do serviço de mensagens.

Leia também: Atualize o app! Usuários do WhatsApp já podem fazer chamada de vídeo em grupo

Agora nos resta saber se a estratégias de incluir anúncios no WhatsApp
Status vai funcionar e ser suficiente para manter o serviço de pé. Caso contrário, esta pode ter sido a brecha para que anúncios tomem conta também das conversas particulares e se tornem invasivos em mais um aplicativo.

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × três =

Tecnologia

UM NOVO MATERIAL PODERIA FAZER DOWNLOAD DO SEU CÉREBRO, ENTENDA

Publicado

em

Um novo material quântico foi desenvolvido pelos cientistas da Universidade de Purdue e do Laboratório Nacional Argonne, ambos nos Estados Unidos. Este material poderá, no futuro, transferir informações entre o cérebro humano e um computador, sem a necessidade de outros aparelhos ou conectores.

O projeto desenvolvido por eles ainda se encontra nos estágio iniciais e nos remete a uma ideia de um possível upload de informações a partir de nosso cérebro. Essas informações poderiam ser armazenadas em uma nuvem. Outra possibilidade é a de que o próprio cérebro poderia nos dar informações sobre doenças, entre outras métricas de saúde do corpo. Um artigo sobre o estudo foi publicado na revista científica Nature Communications.

O novo material

Os pesquisadores têm como objetivo criar um material que “pense” como o cérebro. Além de também ser mais sensível a sinais precoces de doenças, como o mal de Parkinson. Apesar de parecer coisa de filme, os cientistas conseguiram desenvolver um material que pode ao menos “escutar”.

É através das correntes iônicas, que ajudam o cérebro a realizarem uma reação em particular, que nosso organismo realiza algo tão básico como respirar. Fazer a detecção de íons significa também detectar a concentração de uma molécula, o que nos fornece um indicador de saúde do cérebro.

“A meta é preencher a lacuna entre como a eletrônica pensa, que é via elétrons, e como o cérebro pensa, que é via íons. Este novo material nos ajudou a encontrar uma ponte em potencial”, explicou Hai-Tian Zhang, pós-doutorando e principal autor do estudo.

O novo material foi testado em duas moléculas: glicose, açúcar essencial para produção de energia, e na dopamina, responsável pela regulagem do movimento, respostas emocionais e memória. A quantidade de dopamina no cérebro costuma ser baixa. Pacientes com o mal de Parkinson costumam ter percentuais ainda menores. A detecção desse mediador químico é algo notoriamente difícil. Assim, a detecção precoce dos níveis de dopamina significaria um tratamento precoce da doença.

Download

“Este material quântico é cerca de nove vezes mais sensível à dopamina do que os métodos que usamos atualmente em modelos animais”, disse Alexander Chubykin, pesquisador envolvido no estudo. Os pesquisadores ainda afirmaram que o novo material poderia “sentir” átomos de diversas outras moléculas. Agora, eles desejam criar uma maneira para que esse material “responda” ao cérebro.

No futuro, os cientistas acreditam que isso nos daria a capacidade de fazer uma espécie de “download” das informações no cérebro.

“Imagine colocar um dispositivo eletrônico no cérebro para que, quando as funções cerebrais naturais começarem a se deteriorar, uma pessoa ainda possa recuperar memórias desse dispositivo”, disse Shriram Ramanathan, professor de engenharia de materiais em Purdue. Ramanathan possui um laboratório especializado no desenvolvimento de tecnologias inspiradas no principal órgão do corpo humano, o cérebro.

“Podemos dizer com confiança que este material é um caminho potencial para construir um dispositivo de computação que armazene e transfira memórias”, concluiu o professor.

 

via: fatosdesconhecidos

Continue lendo

Mais Lidas da Semana