conecte-se conosco


Curiosidades

7 PAÍSES MAIS FÁCEIS DE IMIGRAR

Publicado

em

Bateu aquela vontade de sair do país, conhecer novos lugares, pessoas, culinárias, porém a imigração não anda fácil pra ninguém. O desejo de mudança é unânime em todo o Brasil, muitas pessoas estão decidindo deixar tudo para trás e começar uma vida nova em outros países.

As dúvidas são imensas em relação a passaportes e também para identificar qual país tem a maior facilidade para entrada de imigrantes. Ainda mais a partir das polêmicas sobre países que estão cada vez mais se fechando para entrada de estrangeiros. Não pense que isso possa ser um empecilho, ainda há esperança. Locais maravilhosos abrem as portas para novos moradores, é só escolher:

1 – Paraguai

Brasileiros, com certeza, crescem ouvindo muitas pessoas dizerem que já foram ao Paraguaia. A imigração para lá é fácil, basta conseguir depositar uma quantia de dinheiro no banco paraguaio. O governo está a procura de mais pessoas para viverem na região sem litoral. Mas é bom lembrar, não é uma quantia tão pequena de dinheiro, cerca de 4.000 a 5.000 reais. Com isso, já se tem o suficiente para arrumar as malas e partir para o país.

2 – Canadá

Se souber provar o quanto poderá contribuir para esse país, pode ter certeza que o Canadá vai abrir os braços e quase te raptar do seu país de origem. Diferente dos EUA, a imigração para lá é bem vista. Para entrar, basta preencher um formulário contendo sua formação, lugares em que trabalhou e se é capaz de falar francês.

3 – Belize

Este lugar de praias maravilhosas está localizado entre o México e a Guatemala. O interessante é que, com apenas 1 ano, você já consegue solicitar moradia permanente no país. É simples, é só conseguir um visto de turista de 30 dias, e ir renovando a cada fim de prazo até completar um ano. Finalizado os dias, você paga 1.000 dólares e passa por alguns procedimentos burocráticos.

4 – Panamá

País da America Central, o Panamá também gosta de receber os imigrantes. Sua vantagem está para pessoas de mais idade. Essas pessoas se livraram um pouco mais das burocracias existentes da migração. Mas, jovens prontos para trabalhar, não verão grandes dificuldades. Para estabelecer visto de moradia, o valor do depósito é de 5.000 dólares. Tem um porém: caso venha de uma “país amigo” como EUA, o Canadá, o Reino Unido, a Nova Zelândia, a Áustria e a UE, lá eles darão a possibilidade de fazer um “visto amigo”.

5 – Nicarágua

Para entrar nesse paraíso, é simples. A Nicarágua possui um programa para aposentados, basta comprovar renda de US$ 600 dólares e você não precisa ser de fato aposentado, nem velho.

6 – México

Aqui é fácil. É só chegar até um aeroporto e comprar o seu visto. Desde que não trabalhe por 6 meses, e ao esgotar o período, renove o visto, pode se estabelecer. E é só isso, nunca se esqueça de renovar. E sabe o melhor? Você gasta somente $42 dólares para isso durante 1 ano. Boa sorte!

7 – Bélgica

Aqui é mais do que fácil. Você só precisa arrumar um emprego para conseguir uma licença para residência. Muitos lugares da Europa não gostam muito que estrangeiros tirem empregos dos moradores, mas aqui é diferente. Além de permitir que estranhos procurem um emprego, os belgas ainda oferecem formas de se residir no país e contribuir. É só cuidar para realmente permanecer no emprego até completar o tempo necessário para permanência definitiva. Mais fácil não existe.

 

 

 

via: fatosdesconhecidos

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × quatro =

Curiosidades

VOYNICH: DESVENDARAM O MISTÉRIO DO LIVRO QUE NINGUÉM CONSEGUIA LER

Publicado

em

O Manuscrito de Voynich é um misterioso livro ilustrado, escrito em um alfabeto desconhecido e incompreensível. Acredita-se que o livro tenha sido escrito há pelo menos 600 anos atrás, por um autor desconhecido. Além da linguagem ininteligível, as ilustrações também são bastante curiosas. No livro, é possível ver diversas mulheres nuas em poças de líquidos verdes e plantas de aparência desconhecida.

Durante anos, muitos estudiosos, criptógrafos e linguistas tentaram traduzir a linguagem desconhecida do lendário manuscrito, mas sem sucesso. Mas agora alguém parece ter conseguido decifrar o “texto mais misterioso do mundo”.

O doutor Gerard Cheshire, da Universidade de Bristol, no Reino Unido, afirma que o manuscrito de Voynich está escrito em uma língua morta chamada proto-românica. E que depois de estudar a fundo as letras e os símbolos, ele finalmente conseguiu decifrar o significado do emblemático texto.

A descoberta linguística

Por mais de um século, os estudiosos tentaram traduzir o significado do famoso manuscrito de Voynich. Mas o pesquisador, Dr. Gerard Cheshire levou apenas duas semanas para identificar o sistema de linguagem e escrita do documento.

Cheshire descreve como decifrou com sucesso o código manuscrito em seu artigo, The Language and Writing System, do MS408 (Voynich) Explained, que foi publicado na revista Romance Studies. Segundo ele, o texto revela o único exemplar conhecido da língua proto-românica.

“Eu experimentei uma série de momentos ‘eureka’ enquanto decifrei o código, seguido por um sentimento de descrença e excitação quando percebi a magnitude da conquista, tanto em termos de sua importância linguística e as revelações sobre a origem e conteúdo do manuscrito”, disse ele à SciNews.

O doutor ainda conta que descobriu que o manuscrito foi elaborado por freiras da Ordem Dominicana. E que ele serviu como referência para Maria de Trastâmara. “O que revela é ainda mais surpreendente do que os mitos e fantasias que gerou. Por exemplo, o manuscrito foi compilado por freiras dominicanas como fonte de referência para Maria de Castela, Rainha de Aragão, que por acaso foi tia-avó de Catarina de Aragão”.

“Também não é exagero dizer que este trabalho representa um dos desenvolvimentos mais importantes até hoje na linguística românica. O manuscrito está escrito em proto-romance, idioma ancestral das línguas românicas de hoje, incluindo português, espanhol, francês, italiano, romeno, catalão e galego. A língua usada foi onipresente no Mediterrâneo durante o período medieval, mas raramente foi escrito em documentos oficiais ou importantes, porque o latim era a língua da realeza, igreja e governo. Por resultado, o proto-romance foi perdido do registro, até agora”, afirma Cheshire.

A linguagem do manuscrito

Cheshire explica ainda o que torna o manuscrito de Voynich tão incomum, falando em termos linguísticos.

“Ele usa uma linguagem extinta. Seu alfabeto é uma combinação de símbolos desconhecidos e mais familiares. Ele não inclui sinais de pontuação dedicados, embora algumas letras possuam variantes de símbolo para indicar pontuação ou acentos fonéticos. Todas as letras estão em letras minúsculas e há não há consoantes duplas. Inclui ditongo, tritongos, quadrítas e até mesmo quintípedes para a abreviação de componentes fonéticos. Também inclui algumas palavras e abreviações em latim”.

O próximo passo agora que o manuscrito foi decifrado é traduzir o manuscrito por completo, algo que levará algum tempo, já que o livro tem mais de 200 páginas.

“Agora o idioma e o sistema de escrita foram explicados, as páginas do manuscrito foram abertas para os estudiosos explorarem e revelarem, pela primeira vez, seu verdadeiro conteúdo linguístico e informativo”, disse ele.

Cheshire adianta que o documento reúne vários textos sobre remédios à base de plantas, banhos terapêuticos, leitura astrológica, além de dicas sexuais. Mas ainda é preciso um trabalho mais aprofundado para descobrir outros segredos guardados no livro.

via: fatosdesconhecidos

Continue lendo

Mais Lidas da Semana