conecte-se conosco


Curiosidades

7 MITOS SOBRE MORCEGOS QUE VOCÊ PROVAVELMENTE ACREDITA

Publicado

em

O Batman, um dos super-heróis mais famosos de todos os tempos, usou como inspiração o morcego para assumir sua identidade heroica. Na China, esses pequenos animais noturnos são relacionados à boa sorte. No Egito Antigo, os povos acreditavam que os morcegos poderiam curar várias doenças. No entanto, as nossas opiniões sobre esses animais geralmente são negativas.

Uma explicação para isso, talvez seja porque os morcegos são animais misteriosos, com hábitos noturnos, úmidos e escuros, que carregam um ar sombrio. Inclusive muitas lendas e histórias fazem do morcego um personagem assustador. Mas acontece que o único mamífero voador do mundo não é tão ruim quanto nossos medos o fazem parecer. Existe toda uma mitologia a respeito desses animais que, muitas vezes, não condiz em nada com a realidade. Confira alguns equívocos sobres eles que muita gente ainda acredita e até espalha.

1 – Os morcegos são cegos

Mesmo que exista um dito popular que exemplifica alguém como sendo”cego como um morcego”, na realidade, esses animais podem ver até três vezes mais do que os seres humanos. De acordo com Rob Mies, diretor executivo da Organização para Conservação de Morcegos, a visão do animal varia entre as espécies, mas em nenhuma delas são realmente cegos. Além da visão, eles usam também a ecolocalização (emissão de sons para navegar), o que indica que eles têm um ótimo senso de localização e espaço.

2 – Os morcegos são ratos voadores

Os morcegos pertencem à ordem Chiroptera e não a Rodentia. Na verdade, esses animais estão mais ligados aos primatas do que aos roedores, como algumas pessoas ainda acreditam. Eles não compartilham nenhum comportamento similar aos roedores, não mastigam madeira, metal ou plástico, e geralmente não são incômodos.

3 – Os morcegos são pragas na natureza

Essa talvez seja um dos mitos mais equivocados a respeito dos morcegos. Nada de pragas, muito pelo contrário. Segundo o National Geographic, eles podem comer até mil insetos em uma noite. A sua alimentação baseada em insetos acaba sendo um controle natural de pragas, o que acaba sendo uma economia. Um recente estudo mostrou que esses animais oferecem “serviços não tóxicos de controle de pragas” o que traz uma economia de até US$ 53 bilhões anualmente. E não é só isso, eles também polinizam as plantas e distribuem as sementes por vários lugares, e os seus excrementos ainda são usados como fertilizantes.

4 – Os morcegos querem beber o seu sangue

Existem cerca de 1200 espécies diferentes, e apenas três delas são de morcegos vampiros. Os morcegos vampiros não bebem sangue diretamente como você está imaginando. O seu processo de alimentação é mais parecido com o de um mosquito do que com o do Conde Drácula. Enquanto os mosquitos sugam o sangue dos humanos, os morcegos hematófagos se alimentam principalmente do gado.

5 – Os morcegos vão voar no seu cabelo

Existe uma lenda antiga que diz que morcegos voam no cabelo, ficam presos e constroem ninhos. Muito provavelmente, esse boato começou como uma forma de impedir as mulheres de saírem à noite, mas o fato é que eles voam perto da cabeça das pessoas. A razão não é porque eles querem fazer morada no seu penteado, mas sim porque os nossos corpos atraem insetos, e esses animais são atraídos por insetos. Então não se preocupe, você está seguro. Na verdade, morcegos nem constroem ninhos, eles procuram abrigo dentro de estruturas já existentes, como cavernas e árvores.

6 – Morcegos vivem de cabeça para baixo

A imagem popular sugere que esses animais estão sempre de cabeça para baixo. Embora isso aconteça às vezes, não é uma situação constante. De acordo com Thomas Kunz, da Universidade de Boston, nos Estados Unidos, os morcegos ficam em posição horizontal quando se empoleiram em pequenas fendas, e não na vertical.

7 – Se você for atacado por um morcego, você pegará raiva

Segundo estatísticas recentes, os morcegos contraem raiva com muito menos frequência do que outros mamíferos. E quando eles contraem raiva, esta se manifesta de forma diferente do que nos guaxinins ou raposas, por exemplo. Quando infectados pela raiva, eles ficam paralisados e não conseguem voar ou empoleirar-se. Então não se preocupe, a não ser que você pise em um morcego no chão, caso contrário, não correrá nenhum risco.

 

via: fatosdesconhecidos

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

20 + 11 =

Curiosidades

VOYNICH: DESVENDARAM O MISTÉRIO DO LIVRO QUE NINGUÉM CONSEGUIA LER

Publicado

em

O Manuscrito de Voynich é um misterioso livro ilustrado, escrito em um alfabeto desconhecido e incompreensível. Acredita-se que o livro tenha sido escrito há pelo menos 600 anos atrás, por um autor desconhecido. Além da linguagem ininteligível, as ilustrações também são bastante curiosas. No livro, é possível ver diversas mulheres nuas em poças de líquidos verdes e plantas de aparência desconhecida.

Durante anos, muitos estudiosos, criptógrafos e linguistas tentaram traduzir a linguagem desconhecida do lendário manuscrito, mas sem sucesso. Mas agora alguém parece ter conseguido decifrar o “texto mais misterioso do mundo”.

O doutor Gerard Cheshire, da Universidade de Bristol, no Reino Unido, afirma que o manuscrito de Voynich está escrito em uma língua morta chamada proto-românica. E que depois de estudar a fundo as letras e os símbolos, ele finalmente conseguiu decifrar o significado do emblemático texto.

A descoberta linguística

Por mais de um século, os estudiosos tentaram traduzir o significado do famoso manuscrito de Voynich. Mas o pesquisador, Dr. Gerard Cheshire levou apenas duas semanas para identificar o sistema de linguagem e escrita do documento.

Cheshire descreve como decifrou com sucesso o código manuscrito em seu artigo, The Language and Writing System, do MS408 (Voynich) Explained, que foi publicado na revista Romance Studies. Segundo ele, o texto revela o único exemplar conhecido da língua proto-românica.

“Eu experimentei uma série de momentos ‘eureka’ enquanto decifrei o código, seguido por um sentimento de descrença e excitação quando percebi a magnitude da conquista, tanto em termos de sua importância linguística e as revelações sobre a origem e conteúdo do manuscrito”, disse ele à SciNews.

O doutor ainda conta que descobriu que o manuscrito foi elaborado por freiras da Ordem Dominicana. E que ele serviu como referência para Maria de Trastâmara. “O que revela é ainda mais surpreendente do que os mitos e fantasias que gerou. Por exemplo, o manuscrito foi compilado por freiras dominicanas como fonte de referência para Maria de Castela, Rainha de Aragão, que por acaso foi tia-avó de Catarina de Aragão”.

“Também não é exagero dizer que este trabalho representa um dos desenvolvimentos mais importantes até hoje na linguística românica. O manuscrito está escrito em proto-romance, idioma ancestral das línguas românicas de hoje, incluindo português, espanhol, francês, italiano, romeno, catalão e galego. A língua usada foi onipresente no Mediterrâneo durante o período medieval, mas raramente foi escrito em documentos oficiais ou importantes, porque o latim era a língua da realeza, igreja e governo. Por resultado, o proto-romance foi perdido do registro, até agora”, afirma Cheshire.

A linguagem do manuscrito

Cheshire explica ainda o que torna o manuscrito de Voynich tão incomum, falando em termos linguísticos.

“Ele usa uma linguagem extinta. Seu alfabeto é uma combinação de símbolos desconhecidos e mais familiares. Ele não inclui sinais de pontuação dedicados, embora algumas letras possuam variantes de símbolo para indicar pontuação ou acentos fonéticos. Todas as letras estão em letras minúsculas e há não há consoantes duplas. Inclui ditongo, tritongos, quadrítas e até mesmo quintípedes para a abreviação de componentes fonéticos. Também inclui algumas palavras e abreviações em latim”.

O próximo passo agora que o manuscrito foi decifrado é traduzir o manuscrito por completo, algo que levará algum tempo, já que o livro tem mais de 200 páginas.

“Agora o idioma e o sistema de escrita foram explicados, as páginas do manuscrito foram abertas para os estudiosos explorarem e revelarem, pela primeira vez, seu verdadeiro conteúdo linguístico e informativo”, disse ele.

Cheshire adianta que o documento reúne vários textos sobre remédios à base de plantas, banhos terapêuticos, leitura astrológica, além de dicas sexuais. Mas ainda é preciso um trabalho mais aprofundado para descobrir outros segredos guardados no livro.

via: fatosdesconhecidos

Continue lendo

Mais Lidas da Semana