conecte-se conosco


Curiosidades

7 FATOS BRUTAIS DA VIDA NO CAMBOJA DE POL POT

Publicado

em

Oficialmente chamado de Reino do Camboja, este é um Estado soberano. Ele fica localizado na porção sul da península da Indochina, no sudeste asiático. Sua área territorial é de 181.035 quilômetros quadrados. O Camboja é o 88º maior do mundo em área. Ele faz fronteira com a Tailândia, Laos, Vietnã e Golfo da Tailândia.

Em 1975, um grupo comunista liderado por Pol Pot tinha assumido a capital do Camboja, Phnom Penh. Passado pouco tempo, eles controlaram o país e mudaram seu nome para Kampuchea Democrático. O objetivo deles era criar uma sociedade agrária comunista. O grupo logo foi deposto em 1979. E mesmo com um reinado curto, eles mostraram que muitos danos conseguiram ser feitos. Mostramos aqui algumas das coisas que o país passou nessa época.

1 – Sem propriedade privada

No governo de Pol Pot, verdadeiramente e idealmente socialista, não existia propriedade pessoal. Todas as propriedades foram apreendidas e itens básicos como roupas e outras coisas indispensáveis para viver, eram escolhidas e consideradas propriedade do governo. O que Pol Pot queria era o controle total da vida das pessoas. E possuir a população em todos os sentidos. E queria dar a ilusão de que todos eram iguais e estavam sendo atendidos de acordo com suas necessidades.

2 – Coisas divertidas proibidas

A primeira coisa que o regime de Pol Pot proibiu foi a religião. Ele também matou vários monges budistas. Além da religião, a maior parte de qualquer diversão do país foi proibida. Não era permitido o uso de joias e o jogo foi proibido. E várias práticas populares de entretenimento também foram proibidas, porque Pol Pot queria separar as pessoas da antiga cultura.

3 – Pessoas “perigosas” mortas

Antes de virar um ditador, Pol Pot era professor. Então ele achava que os tipos mais perigosos de pessoas eram os intelectuais que podiam subverter as pessoas contra ele. Por isso, qualquer pessoa com uma educação maior era muito perigosa para ele e tinha que ser presa ou assassinada. Médicos, funcionários públicos, professores, policiais e várias outras pessoas foram mortas por causa disso.

4 – Centro de detenção de infames

Quando o partido de Pol Pot assumiu o poder, eles declararam ano zero na história do Camboja e uma onda de detenções em massa foi feita. Segundo estimativas colocam, o número de centros em 150 e alguns perto dos 200. O mais infame foi o chamado S-21. Estima-se que 14 mil pessoas foram presas nele e somente sete tenham sobrevivido.

5 – Forçadas a sair de casa

O ditador decidiu fazer uma coisa que até mesmo os países comunistas consideravam extremo. Ele queria acabar completamente com as áreas urbanas. Todos foram forçados a sair das cidades e enviados às áreas rurais para trabalhar. Isso claro, sendo imposto pelos soldados do partido que queria garantir que o país se transformasse em uma sociedade agrária.

6 – Hierarquia social

No processo de mudança da sociedade, Pol Pot criou quatro novas categorias de pessoas. Mas a maioria das pessoas permaneceu no status em que foram colocadas quando o ditador assumiu o poder. E a ascensão era raridade.

7 – Famílias separadas

Umas das coisas que fez o governo de Pol Pot ficar conhecido, foi a separação de famílias. Quando as pessoas foram forçadas a sair das áreas urbanas e irem pro campo, as famílias eram separadas. O ditador fez isso para transformar o seu regime em uma máquina perfeitamente funcional. Isso porque ele considerava mais fácil fazer uma lavagem cerebral nas pessoas quando a unidade familiar estava desfeita.

 

via: fatosdesconhecidos

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 × 5 =

Curiosidades

O PROJETO AMBICIOSO DA NASA DE CONSTRUIR ESSA ”CAÇADORA DE PLANETAS”

Publicado

em

A NASA (Agência Espacial dos Estados Unidos) foi fundada no ano de 1958. Cerca de três anos depois, em 1961, foi criado o centro espacial norte americano Johnson Space Center. A NASA funciona como núcleo de pesquisa, realização e comando de voos tripulados. Ela também abriga o MCC (Centro de Controle das Missões), cuja função principal é gerenciar todas as atividades que acontecem na Estação Espacial Internacional e todas as missões espaciais que são demandadas.

A NASA agora tem o objetivo de fazer missões de caça exoplanetas starshade. Essas missões podem parecer tecnologicamente assustadoras, mas elas não estão fora do alcance da NASA, de acordo com pesquisas recentes.

Para que essa missão fosse realizada seria usado um telescópio espacial e uma nave separada. Ela voaria cerca de 40 mil quilômetros de distância na frente. A sonda, que viria atrás, seria equipada com uma grande sombra plana e de pétalas projetadas para bloquear a luz das estrelas. Isso permitiria que o telescópio orbite diretamente  POR mundos alienígenas que sejam pequenos como a Terra, e que de outra maneira seriam perdidos no brilho.

Os instrumentos, chamados coronógrafos, foram instalados em vários telescópios terrestres e espaciais. Eles funcionam com o mesmo bloqueio de luz. E os coronógrafos são incorporados no próprio telescópio.

Missões

Até agora não existem registros de missões starshade nos livros da NASA. Segundo oficiais da NASA, para que a missão funcione, as duas espaçonaves têm que estar alinhadas, perfeitamente precisas. Além de estarem com uma distância de cerca de um metro uma da outras.

“As distâncias que estamos falando para a tecnologia starshade são difíceis de imaginar”, disse Michael Bottom, engenheiro do Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa (JPL), em Pasadena.

“Se a starshade fosse reduzida para o tamanho de uma montanha-russa, o telescópio teria o tamanho de uma borracha para lápis, e eles seriam separados por cerca de 100 quilômetros. Agora imagine que esses dois objetos estão flutuando livremente no espaço. Eles estão experimentando esses pequenos puxões e empurrões da gravidade e de outras forças. E ao longo dessa distância estamos tentando manter ambos precisamente alinhados dentro de cerca de 2 milímetros”, continuou.

Em teoria, algumas falhas seriam possíveis de ser detectadas se tivesse uma câmera dentro do telescópio espacial. Isso porque pequenas quantidades de luz estelar vazam sempre ao redor da estrela. E isso forma um padrão claro e escuro. Essa câmera detectaria esses desalinhamentos quando visse que o padrão estava fora do centro.

Técnicas

Para testar essa técnica e se ela realmente funcionaria, Bottom criou um programa de computador. Os resultados do experimento foram bastante encorajadores.

“Podemos sentir uma mudança na posição da starshade até uma polegada, mesmo sobre essas enormes distâncias”, comentou.

Paralelamente, Thibault Flinois, engenheiro da JPL, e seus colegas fizeram um conjunto de algoritmos que usam as informações do programa de Bottom. Isso para que conseguissem determinar quando a starshade tem que disparar de maneira autônoma os seus propulsores para manter o alinhamento.

Os trabalhos em conjunto dizem que as missões starshade são tecnologicamente possíveis. De fato, deve ser possível manter uma starshade grande e um telescópio espacial alinhados a uma distância de até 74 mil quilômetros.

“Isso para mim é um bom exemplo de como a tecnologia espacial se torna cada vez mais extraordinária, baseando-se em seus sucessos anteriores”, disse Phil Willems, gerente da atividade Starshade Technology Development da NASA.

“Usamos formação voando no espaço toda vez que uma cápsula atraca na Estação Espacial Internacional. Mas Michael e Thibault foram muito além disso e mostraram uma maneira de manter a formação em escalas maiores que a própria Terra”, concluiu Willems.

via: fatosdesconhecidos

Continue lendo

Mais Lidas da Semana