conecte-se conosco


Curiosidades

7 COISAS DO MUNDO DE HARRY POTTER QUE JÁ EXISTEM NO MUNDO REAL

Publicado

em

Muitas pessoas já desejaram receber uma coruja em suas casas para lhes entregar uma carta que os convidasse a ingressar na famosa Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts. No entanto, todos nós ficamos decepcionados ao perceber que talvez essa carta nunca chegue. Sem Hogwarts, sem aulas de mágica, sem quadribol.

Porém, a ciência pode estar nos ajudando a nos aproximar do encantado mundo de Harry Potter. Muitas das coisas que vemos nos filmes ou lemos nos livros da saga, parecem estar ganhando vida no mundo dos trouxas. Digo, no mundo real. Pensando nisso, hoje, trouxemos para vocês algumas dessas coisas que estão sendo, ou que já foram, desenvolvidas pelos cientistas e que vocês podem não saber que já existem. Confira!

1 – Levitação

A habilidade de fazer coisas flutuarem é uma das primeiras habilidades aprendidas pelos estudantes em Hogwarts. Isso tem sido uma verdadeira obsessão humana por centenas de anos. No entanto, podemos estar mais perto de conseguirmos isso do que nunca antes. Maglev, ou levitação magnética, é uma tecnologia que faz uso de imãs repelentes para poder suspender objetos sem qualquer auxílio além de seu campo magnético.

Essa tecnologia pode inclusive nos auxiliar na locomoção. Objetos suspensos em um campo magnético podem ser movidos com quase nada de atrito, movendo trens, por exemplo, com pouquíssimo esforço sobre os “trilhos”.

2 – Capa da invisibilidade

Quem não queria ter uma capa da invisibilidade, não é mesmo? Diversas tecnologias de invisibilidade estão sendo pesquisadas atualmente. Algo que tem sido bastante noticiado são os metamateriais. Eles são projetados para interagir com a luz de um jeito muito especial.

Os metamateriais são compostos de estruturas de tamanho semelhante ao comprimento de onda da luz visível. Isso significa que eles distorcem e dobram as ondas de luz, de modo que o objeto que eles estão cobrindo fique invisível. Porém, essa tecnologia, ao menos por enquanto, funciona apenas em objetos minúsculos e bidimensionais.

3 – Carros voadores

Empresas estão desenvolvendo carros voadores para serem disponíveis comercialmente e a boa noticia é que a tecnologia já se encontra em estágios finais de seu desenvolvimento. Uma empresa chamada Terrafugia ganhou recentemente a aprovação da Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos de seu carro voador chamado The Transition. O veículo é um híbrido super moderno de carro e avião.

Uma outra empresa, chamada AeroMobil, desenvolveu o protótipo de um carro voador que caberia em qualquer vaga de estacionamento, usa gasolina comum e que também pode ser usado nas estradas.

4 – Campo de força eletromagnética

O feitiço Protego em Harry Potter cria uma barreira protetora invisível ou campo de força, para desviar feitiços e outros ataques. Porém, no mundo dos ‘trouxas’, cientistas estão desenvolvendo algo parecido usando uma tecnologia chamada “arco eletromagnético”. Ela formaria um escudo gerado por lasers, eletricidade e microondas e que é mantido por um escudo de plasma e um campo eletromagnético.

Essa tecnologia tem sido desenvolvida para proteger aeronaves de explosões próximas e ondas de choque. Apesar de ainda não proteger a aeronave de alguma ameaça direta, como um míssil, o escudo pode protegê-la de ameaças menores.

5 – Varinhas mágicas

Você pode comprar uma varinha online por aproximadamente 180 reais, que é bem mais do que um simples brinquedo. Você poderá usá-la para controlar vários dispositivos em sua casa. Sua fabricante, a Wand Co., a chamou de Kymera. Ela usa tecnologia infravermelha. Nela, podem ser programados até 13 comandos diferentes que são ativados por uma variedade de gestos e movimentos do braço.

6 – Cura mágica (medicina regenerativa)

O Instituto de Medicina Regenerativa do Exército dos EUA está conduzindo uma pesquisa sobre técnicas avançadas de cura. Eles ainda não conseguem regenerar membros inteiros, porém isso não está muito longe de acontecer. Os avanços já lhes permitem recuperar a pele, ossos e tecidos musculares. Além da cura de feridas em uma velocidade impressionante.

Já as universidades britânicas de Southampton e Northampton desenvolveram um gel injetável contendo células-tronco e partículas magnéticas que podem reparar ossos danificados por lesões ou doenças, como a osteoporose.

7 – Legilimência (Leitura de mente)

Em Harry Potter, Severus Snape, Albus Dumbledore e Voldemort são extremamente eficazes na arte de ler mentes. Eles podem acessar memórias e pensamentos de uma pessoa sempre que julgarem necessário. Cientistas do mundo real parecem ter criado um máquina capaz de ler a mente humana.

Foi desenvolvido um computador capaz de processar sinais cerebrais de uma pessoa, enquanto ela lê ou assiste algo. O que a máquina faz é interpretar os impulsos elétricos em nosso cérebro exatamente da mesma forma que o cérebro faz, construindo uma “imagem” de sua mente.

 

via: fatosdesconhecidos

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

18 − nove =

Curiosidades

O PROJETO AMBICIOSO DA NASA DE CONSTRUIR ESSA ”CAÇADORA DE PLANETAS”

Publicado

em

A NASA (Agência Espacial dos Estados Unidos) foi fundada no ano de 1958. Cerca de três anos depois, em 1961, foi criado o centro espacial norte americano Johnson Space Center. A NASA funciona como núcleo de pesquisa, realização e comando de voos tripulados. Ela também abriga o MCC (Centro de Controle das Missões), cuja função principal é gerenciar todas as atividades que acontecem na Estação Espacial Internacional e todas as missões espaciais que são demandadas.

A NASA agora tem o objetivo de fazer missões de caça exoplanetas starshade. Essas missões podem parecer tecnologicamente assustadoras, mas elas não estão fora do alcance da NASA, de acordo com pesquisas recentes.

Para que essa missão fosse realizada seria usado um telescópio espacial e uma nave separada. Ela voaria cerca de 40 mil quilômetros de distância na frente. A sonda, que viria atrás, seria equipada com uma grande sombra plana e de pétalas projetadas para bloquear a luz das estrelas. Isso permitiria que o telescópio orbite diretamente  POR mundos alienígenas que sejam pequenos como a Terra, e que de outra maneira seriam perdidos no brilho.

Os instrumentos, chamados coronógrafos, foram instalados em vários telescópios terrestres e espaciais. Eles funcionam com o mesmo bloqueio de luz. E os coronógrafos são incorporados no próprio telescópio.

Missões

Até agora não existem registros de missões starshade nos livros da NASA. Segundo oficiais da NASA, para que a missão funcione, as duas espaçonaves têm que estar alinhadas, perfeitamente precisas. Além de estarem com uma distância de cerca de um metro uma da outras.

“As distâncias que estamos falando para a tecnologia starshade são difíceis de imaginar”, disse Michael Bottom, engenheiro do Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa (JPL), em Pasadena.

“Se a starshade fosse reduzida para o tamanho de uma montanha-russa, o telescópio teria o tamanho de uma borracha para lápis, e eles seriam separados por cerca de 100 quilômetros. Agora imagine que esses dois objetos estão flutuando livremente no espaço. Eles estão experimentando esses pequenos puxões e empurrões da gravidade e de outras forças. E ao longo dessa distância estamos tentando manter ambos precisamente alinhados dentro de cerca de 2 milímetros”, continuou.

Em teoria, algumas falhas seriam possíveis de ser detectadas se tivesse uma câmera dentro do telescópio espacial. Isso porque pequenas quantidades de luz estelar vazam sempre ao redor da estrela. E isso forma um padrão claro e escuro. Essa câmera detectaria esses desalinhamentos quando visse que o padrão estava fora do centro.

Técnicas

Para testar essa técnica e se ela realmente funcionaria, Bottom criou um programa de computador. Os resultados do experimento foram bastante encorajadores.

“Podemos sentir uma mudança na posição da starshade até uma polegada, mesmo sobre essas enormes distâncias”, comentou.

Paralelamente, Thibault Flinois, engenheiro da JPL, e seus colegas fizeram um conjunto de algoritmos que usam as informações do programa de Bottom. Isso para que conseguissem determinar quando a starshade tem que disparar de maneira autônoma os seus propulsores para manter o alinhamento.

Os trabalhos em conjunto dizem que as missões starshade são tecnologicamente possíveis. De fato, deve ser possível manter uma starshade grande e um telescópio espacial alinhados a uma distância de até 74 mil quilômetros.

“Isso para mim é um bom exemplo de como a tecnologia espacial se torna cada vez mais extraordinária, baseando-se em seus sucessos anteriores”, disse Phil Willems, gerente da atividade Starshade Technology Development da NASA.

“Usamos formação voando no espaço toda vez que uma cápsula atraca na Estação Espacial Internacional. Mas Michael e Thibault foram muito além disso e mostraram uma maneira de manter a formação em escalas maiores que a própria Terra”, concluiu Willems.

via: fatosdesconhecidos

Continue lendo

Mais Lidas da Semana